TEXTOS TERRORISMO EM PORTUGUÉS

Todo lo publicado en  ARISTOS INTERNACIONAL está sujeto a la ley de propiedad intelectual de España

Agosto 2.020  nº 34

La Dirección no se responsabiliza de las opiniones expuestas por sus autores. 
Estos conservan el copyright de sus obras

AL SERVICIO DE LA PAZ Y LA CULTURA HISPANO LUSA

 

 

A invasão islâmica da Europa
Eugenio de Sá
Portugal

Teologia e doutrina islâmicas apresentam regras para a conquista
e subjugação de muçulmanos, e não muçulmanos.

Um cidadão, uma familia que escolha outro pais para se fixar e viver, tem que respeitar as leis e os costumes desse país de acolhimento, tal como a sua descendência já nascida nesse país. Assim deveria ser, mas esse parece não ser esse o caso quanto a uma boa parte dos povos muçulmanos que migraram para países europeus. Isto porque para os muçulmanos mais radicais a ua lei não é civil, mas a islâmica; a Sharia.

As leis europeias são permissivas e permitem que tenha sucesso o advento da Sharia em solo europeu. Com efeito, em toda a Europa, o direito à liberdade de expressão está sofrendo limitações impostas por ela. Bélgica, Alemanha e Grã-Bretanha, entre outros, oferecem benefícios para esposas em poligamia, mesmo sendo esta ilegal em cada um destes países.

Por exemplo, em muitas escolas de França a história do holocausto é ignorada para não ferir a sensibilidade dos islâmicos, e, desde 2008, a Grã-Bretanha permite que tribunais islâmicos validem tratamentos injustos às mulheres muçulmanas. E são indulgentes  quanto aos vários motins e outros desacatos levados a cabo por cidadãos islâmicos. Nessas, e em muitíssimas outras situações, as leis, os valores. e os princípios ocidentais estão sendo paulatinamente substituídos pelos ditames da Sharia.

Esta tolerante brandura dos governantes de França, de Inglaterra e da Alemanha – além de servirem de maus exempos para outros – parece indiciar terem estes três países deixado de se preocupar em mostrar-se  ao mundo como deveriam, já que sempre se arvoraram em defensores das liberdades na Europa. Aos poucos, a invasão islâmica do velho continente vai fundando raízes e tornando-se uma realidade, com o seu cortejo de consequências cada vez mais graves, entre elas a violência que já ocorre em grande escala, e o desaparecimento de grande parte dos valores e tradições da civilização ocidental, vergando-se ao «politicamente correcto», mas que, na realidade, não é mais que um autêntico e deprimente haraquiri social.

Há que ter em conta que o islão não é só uma religião; a sua teologia e doutrina apresentam regras e orientações que apontam  para a conquista e subjugação de muçulmanos e de não muçulmanos, sendo seu objectivo principal difundi-las e implementá-las em todo o mundo.

Em nome de Allah

  Iludidas e desgraçadas, essas mães que incentivam e armam os seus filhos para o terror, para a   matança indiscriminada de inocentes, em nome de uma mais que duvidosa “jihad” que mais serve os   interesses inconfessados de quem não se expõe nem arrisca a pele, preferindo que outros o façam depois de lhes terem «feito a cabeça». Porque nenhum deus pode ser invocado para abençoar semelhantes atrocidades.

«Na Grã-Bretanha, o grupo islâmico “Muçulmanos contra as Cruzadas” lançou uma campanha para transformar 12 cidades britânicas em Estados independentes muçulmanos. A França tem centenas de zonas urbanas «sensíveis” nas quais vivem milhões de muçulmanos. O governo holandês divulgou uma lista com as 40 zonas «proibidas”. A Bélgica já é 20% islâmica. E, na Suécia, a cidade de Malmoe já é habitada por 25% de muçulmanos. e também é dividida em zonas proibidas.

Espera-se que o número global de muçulmanos suba 35% nos próximos 20 anos, percentagem a crescer duas vezes mais rápido do que a dos não islâmicos. Os dados mais assustadores estão também na Europa. No mesmo período, os maiores aumentos em valores absolutos, irão ocorrer na Alemanha, Reino Unido, França e Itália. A população islâmica chegará então a mais de 50% do total».(*)

A Europa arrisca-se a perder todos os seus preciosos valores: a dignidade humana, a liberdade de consciência, a liberdade de expressão e a autoridade da lei e do estado

1 comentario en “TEXTOS TERRORISMO EM PORTUGUÉS”

  1. Bravo, grande Eugénio!!!!!
    Quanta informação importante para a atenção dos menos avisados.
    Muito grata pelo transmite em textos impecáveis, de conteúdos importantes para todos nós.
    Um abraço
    magda

    Responder

Deja un comentario