POEMAS A LA MUJER PORTUGUES

 

Todo lo publicado en  ARISTOS INTERNACIONAL está sujeto a la ley de propiedad intelectual de España
Marzo  2021  Especial Mujer
La Dirección no se responsabiliza de las opiniones expuestas por sus autores. 
Estos conservan el copyright de sus obras
AL SERVICIO DE LA PAZ Y LA CULTURA HISPANO LUSA

COLABORAN …Maria Inês Aroeira Braga.-Rose Arouck.-Virginia Branco.-Jusmaria da Cunha Carvalho.-Eugenio de Sá.- Yvany Gurgel do Amaral.-Santa Catarina Fernandes da Silva Costa.-Josuela Ferreira.-José Ernesto Ferraresso.-Magna Aspásia Fontenelle.- Ary Franco.-Albertino Henrique Galvao.-Laura Lopes.- Amilton Maciel Monteiro.-Mário Matta e Silva.-  Myrthes Mazza Masiero.-Tito Olivio..-Cema Raicer.-Alfredo Santos Mendes

 

A Alma da Mulher
Maria Inês Aroeira Braga

Muitos se achegam, outros sentem medo,
Do que há numa alma feminina…
Mas ninguém desvendou cada segredo
Que ela traz em si desde menina…

Um cofre bem trancado… A fechadura
Não cede se for forte a pressão…
Só se abre ao toque da ternura,
Pois precisa encher seu coração…

Todo homem se encanta com a presença
Daquele olhar profundo, impenetrável.
Que leva a ele uma doçura imensa…

Jamais se sabe o que busca, o que quer…
É sempre um mistério inviolável.
A requintada alma da Mulher…

M de Mulher!
Rose Arouck
-A Poeta Trovadora-

Mulher Musa…
Melindrosa múltipla.
Mulher, mil metamorfose maiúscula!
Motivando manhã mesclada, medieval.
Magna medusa, miasma madrigal…

Mulher Matreira…
Minimiza modo menos mortal,
Multiplica maneira multi-real…
Minorando-se meticulosamente mundial,
Mostrando moída marca memorial.

Mulher Mãe…
Matriarca, mágica, mar-cor-de-rosa!
Movimenta mundos meninando melindrosa;
Maternando medos,
Minimizando meneios,
Ministrando mistura melosa…

Mulher Mártir…
Madona meneando males;
Mastigando metas mergulhadas,
Mudando matrizes motorizadas,
Mostrando migalhas mimáveis,
Mendigando medidas massacradas,
Mantendo mudez maceradas…

Mulher Mágica…
Moça maneirosa
Mostra mutável maviosa,
Mistura mestra moderadamente manhosa

Metendo mão missivista, maliciosa.
Malabarista massageia meticulosa
Mandando machista mudar moda..

Mulher, Marquesa, Maravilhosa Maria…
Murmura melhor musicando maestria.

MULHER – AUTO RETRATO
Virginia Branco

Por entre laços,  afectos e recatos,
nasci duma fonte pura.
Sombra meiga, sol de ternura.
Também eu fui  útero e por magia ,
roseira de um só botão de rosa.
Preferida sinfonia,
que fez de mim leoa, protegendo a cria.
Sou arado desbravando a terra.
Água de cisterna,  gato de telhado.
Sou braço de ferro, não torce mas quebra.
Sou chama, sou lume. Sou da espada o gume
evitando a guera !
Quando distribuo o pão fatiado,
fabrico poemas, nas frescas manhãs
de orlas douradas e cravos floridos.
Sou águia em voo destemido,
levando nas garras os elos do sexto sentido.
Sou palhaço ousado, alvo do Cupido
Mas ai no amor eu sou filigrana,
sou um sempre em pé,  que sofre e que ama.
E mesmo que dance com mil no terreiro
só de um, meu coração está prisioneiro.
Por entre a bruma, à luz ténue da candeia;
-Ele será sempre meu andante cavaleiro
e eu, a Dulcineia….!!

MULHER – O TEU SUDÁRIO
(  EM HOMENAGEM À MULHER DOS ANOS 60/70 – CLASSE MÉDIA  )
Virgínia Branco

Mulher, tua vida é primavera
em constante mutação.
Esquece a quimera que magoou teu coração.
que te encantam em seus gorjeios
as sobras do teu pão,  em pedacinhos.

Hás-de colher pétalas de rosas perfumadas, em teu jardim,
guarda as mais acetinosas no teu diário.
Bem juntinhas do teu sudário….!
Com a tua força podes calcorrear cidades sem fim,
que esperam por ti.

Já não és moça, mas és peregrina do teu santuário,
onde tantas vezes limpavas o suor daqueles que amavas.
E o teu próprio rosto, bonito…, de arrecadas;
parecia nascente que à pressa secavas!
E o teu sudário escondido guardavas!

Quanto cansaço te enchia o regaço
e à noite ainda amavas.
Mas  nas  noites frias,  já altas, afastando o sono,
contavas mistérios do teu abandono.

Do teu rosário d’escombros
Avé-Marias ainda desfiavas.
Abanando o berço, descansando os ombros
tuas preces rezavas!

MULHER  VALOROSA
Jusmaria da Cunha Carvalho

Mulher valorosa
A quem temereis?
Aos mandos de reis
Ou aos jugos mundanos
Impiedosos, tiranos,
Que criticam, reprimem
Sufocam, oprimem
Tua beleza ofuscando
Tua destreza minando?

Nada pode impedir
Teu caminho seguir
Defendendo teus direitos
De trabalhos e feitos
Incansável na luta
Encarando a disputa
Do teu devido lugar
Que é onde queres estar
Sem medo do opressor
Espalhando muito amor.

Brilhando qual diamante
Como luz atuante
Pela solidariedade
Dentro da sociedade
Num misto de fortaleza
De encanto e beleza
Firme em atitudes
Terna em virtudes
Precavida e ditosa
Mulher maravilhosa!

MULHER,
Eugénio de Sá

Ventre de Deus doado ao mundo
És seio do amor e do bem-querer
És esteio da família, o ser fecundo
Verbo maior da vida e do viver

Mulher requinte, mulher solidão
Se sabes ser amante traquejada
Também és dona da graça do perdão
Porque és pla piedade abençoada.

Mas és desgraça, se o desgosto fere
E na afronta, se a traição tortura
És doce indulto que a mercê prefere.

Pobre, se ao triste fado resignada
Tu, que és deusa de carne e de ternura
Só és feliz, quando és Mulher amada!


O resto das nossas vidas
Eugénio de Sá

Mulher dita madura, que doçura
Emprestas ao que tocas, ao que amas
Em ti só há bem querenças e ternura
E o porte de nobreza que há nas damas

Quererás ser a minha terna namorada,
Vivermos juntos a vida que nos reste?
– Passearemos ambos, de mão dada
E esquecerás o tanto que sofreste

E tu farás de mim o que quiseres;
Talvez o homem mais feliz que existe
Pois faças tu, mulher, o que fizeres
Tenho a certeza: não serei mais triste

Imagina um recanto neste mundo
Onde se escutem pássaros cantando
Um regato que corre lá ao fundo
E meus braços amantes te abraçando

Uma casinha marginando um lago
A chaminé no alto, fumegando
E ambos felizes, sempre lado a lado
Valorizando o amor, viver amando

Porque hesitas, mulher, se podes ser feliz
Que medos tens, que males te podem vir
De um coração que assim te quer, e diz
Que estas mãos desesperam por se abrir

A ti, Mulher!  
Eugénio de Sá

Tanto de ti, mulher, queres consagrar
Tantos cansaços, tantos sofrimentos…
Quantos golpes de rins tu tens de dar
P’ra fazer face a tais cometimentos!

E se outros mais encantos não se mostram
Nesse teu rosto a sulcos retratado
É porque os mais desgostos se confrontam
Com o riso nos teus lábios, apagado!

Mulher e mãe, julgada e julgadora
Todos te flagelam, implacáveis
Quando dos males te apontam causadora

Mas os credos de Deus são insondáveis
E como Salomão, és sabedora
Que os dons do coração são indomáveis!

A IMAGEM DA MULHER
Yvany Gurgel do Amaral

A quem interessa uma imagem de mulher
Quebrada ao meio como se boneca fosse
Quem inventou a ideia que a mulher trouxe
Perfume de pecado no que fizer ou disser.

A quem interessa a maçã na mão das mulheres?
Por que tão vis mentiras, por que tanta vilania
A imputar-lhes uma maldade quando disseres
Que ela foi declarada culpada pela teofania.

A quem interessa macular da mulher a imagem
Imputando-lhe uma face de ardilosa e provocadora
Por que atribuir-lhe atributos de uma selvagem
Em busca de um destino de uma mera pecadora?

Esquecem que seu ventre é o ninho abrigo das almas
Que aqui voltam para numa destemida nova missão
Tentarem resgatar todas suas iniquidades passadas
E com muito amor poderem purificar o coração?

A mim, confesso com tristeza, que só me vem à mente
Ser artimanha, maldade, despeito e tudo o que disser
Não vai compensar as mulheres do sofrimento recente
De quem não conhece, não respeita nem gosta de mulher!

MULHER
Yvany Gurgel do Amaral

Mulher Anjo caído do céu
Que povoa a terra
Com seu encanto e ternura.

Mulher Menina que brinca
Com suas bonecas
Como um ensaio de carinho
Que dará, futuramente,
A seus filhos.

Mulher Mocinha sonhadora
Que espera por um amor
Eterno e grandioso
Ainda não sabe o sabor de um beijo
Nem os delírios do gozo.

Mulher Amante
Que se desnuda para seu homem
Com amor e sensualidade
Mas guarda a pureza do lírio
E a beleza da sensibilidade.

Mulher Amiga, leal e dedicada
Que aprende e ensina
Para a evolução da humanidade
A sua companhia é desejada
Pelos quatro cantos da cidade.

Mulher Mãe
Que guarda no coração
No cantinho mais profundo
O amor pelos filhos
Seus cuidados estão a permitir
Que o mundo continue a ser mundo.

A mulher bomba
Santa Catarina Fernandes da Silva Costa

Menina linda, coberta de cinza,
com lindos olhos abertos,
espiando o mundo entre tiros
que ceifam vidas e restam gemidos.
Paredes derrubadas ou levantadas
Portas fechadas e vidas enclausuradas.
Qual o sentido de ficar calada?
Vou para a rua  gritar e gritar
minha bandeira levantar,
e minha arma poderosa ostentar.
Assim ficarei na história,
Serei heroína!
Esta é a minha sina!

No entanto, ao se ver numa praça,
olha ao redor, pessoas reais, nunca vistas,
pois só soldados conhecia,
vivia escondida entre paredes aflitas.

Suspira com um peso enorme no corpo amarrado
que breve seria esfacelado,
provocando tantos mortos e feridos.
Despede da sua existência, coloca a mão no botão,
adeus coração.
Acabou a dor, a humilhação.

Lança o último olhar.
Uma criança no colo da mãe ou do pai,
olha para ela e sorri.
O sorriso da criança heroína
que salvou tantas vidas
entrou na alma da menina
que do mundo se despedia.
Novos pensamentos surgiram:
Não é justo matar inocentes
todos merecem a vida!

Faltou coragem,
ou criou coragem?
Sua decisão custou-lhe
Sete anos de prisão.
Mas foram sete anos de libertação,
de transformação; do ódio ao amor.
E nas frias celas, falava com outros presos
do direito à vida e da paz.
Sim, é real, a paz é capaz
do mundo mudar!
Hoje a menina mulher
É uma embaixadora da paz.

Minha homenagem a essa grande mulher.

Mulher
José  Ernesto Ferraresso

Pensei, por um instante, 
em enxugar aquelas lágrimas
que corriam naquele rosto sofrido,
de mulher sensível, carinhosa, lasciva.
De repente, mostrou-se uma mulher
que aceita qualquer desafio
e  não desiste.
Estava ali, estagnado
em sua frente, para lhe mostrar
presteza e  identidade.
Não precisou muito, levantou-se
alltiva, tão guerreira e fêmea.
Demonstrou seus desejos pulsantes,
momentos de luta e vitalidade.
Seus minutos de felicidade eram inconstantes.
Não consegue só  amar, porque  possui mais garras, 
evita o desejo e  procura ânimo para continuar.
Mulher , exemplo de liderança,
que sustenta por nove meses um feto.
Gera um ser inocente que se tornará um varão.
Toda mulher tem um pouco de Maria,
disse O Sim e jamais soube dizer não.
Vai à luta quando tem razão e procura
sempre conquistar sua liberdade.

A Mulher
José Ernesto Ferraresso

No Éden, natureza
em formação, perfeição,
paisagens, emoção,
árvore que deu
início à traição.
Assim, desejável,
linda, ameaçadora,
tentadora e pecadora.
Criação divina
que cometeu deslize,
para existência
de um ser em formação.
Sedução, egoísmo,
luxúria, e a curiosidade
deixou-se seduzir,
provoca a tentação,
pecou contra Deus
e o mundo.

Rosto Materno
José Ernesto Ferraresso

No teu semblante, Mãe
há alegria, risos e fantasias,
para enfeitar nossos dias.
Bailas graciosamente,
fazendo o trabalho diário,
para colorir e adornar nosso lar.
Para nos agradar é sempre a mulher
que não deixa transparecer a tristeza,
porque em seu rosto só existe a beleza.
Mãe quanto a amo e quero. 
Obrigado por existir e me fazer feliz.

«O Rosto Misericordioso de Maria»
José Ernesto  Ferrarrresso

Neste momento difícil que estamos atravessando
a Mãe de Deus nos pede para rezarmos, todos os dias o Terço.
Quando rezamos os mistérios do Rosário,
continuamos nosso projeto missionário.
Vimos, ao rezar o Rosário, sofrimentos,
alegrias em cada mistério, sejam eles ,
gloriosos, gozosos, luminosos e dolorosos.
Paramos ai; O que estamos passando? 
Dores, perdas, preocupações, temores,
ainda bem que não nos faltam bastante a  Esperança e a Fé.
Amanhã, A mãe dolorosa, depois de viver com o Filho
ela vê seu último suspiro no flagelo da Cruz e Ele
olha para sua mãe Maria, Mãe da Misericórdia,
e dá seu último suspiro e Jesus vai  ao encontro do Pai.
Ele é luz e veio para nos salvar nunca cansa de nos
acompanhar e nos amar.
Maria, Senhora da Esperança e da Vida,
Vós, Ó Bendita entre as mulheres nesta lida!
Intercede ao Pai, e aliviai-nos do pecado e da
opressão e tira-nos desta imensa aflição…
 AMÉM

UM POEMA
Eu, Mulher
Josuela Ferreira

Sou a rosa que fere e encanta
e o sorriso de menina
Sou a dor da despedida,
 o abraço da chegada,
os sonhos da noite,
E o orvalho da manhã

A lembrança de quem serei
me desperta e oprime
E a imagem no espelho
é só esboço do que já fui.
Mas tocando minha pele
Sinto que estou aqui.

As tempestades produzidas em mim
repelem a calma do meu olhar
E a energia dos raios
alimenta as minhas emoções

Vivo de sonhar o amor,
de dançar a música que já acabou
Vivo de vencer a dor
De cantar com voz de louvor

Entre vaidade, perdão,
Verdade, razão,
Loucura e paixão
Complexa e comum

Criada para ser eterna
Nesta matéria efêmera.

MULHER
Magna Aspásia Fontenelle

Essência divina
Flor perfumada
Que enfeita o jardim da vida
Com suas pétalas coloridas
Sorriso de menina

Ninfas sonhadores
Sereia
Fada
Bruxa
Amante
Amada

Sensível
Grandiosa
Emotiva
Inteligente
Sedutora

Ornam
As noites prateadas
De lua cheia
Com piscos lampejantes
De Amor
E beijo abrasador

Sua beleza
Se reflete
Da luz reluzente
Nas águas cristalinas
Dos rios sagrados

É colo que acolhe
Carrega no ventre
Amamenta,
Acalenta
Protege

É verão,
Primavera
Outono
E inverno

É flores, frutos
Chuva, sol
Tempestade
Calmaria
Paz, vida!

MULHER
Ary Franco
(O Poeta Descalço)

Mulher, és a semente por Deus germinada
Para perpetuação de toda a humanidade.
Quando mãe, não existe maior protetora.
Nesta sublime missão, és inconteste vencedora

Em nossa existência nunca és coadjuvante,
Sempre serás a figura maior e principal.
Graças a ti levamos nossos planos adiante.
Grande companheira, com papel magistral.

Ao lado de um grande Homem há uma grande Mulher!
Seu apoio, ternura, conselhos, amor e carinho
Orientam nossos passos a seguir no bom caminho,
Um caminho promissor, sem um desvio sequer.

Dia 8 de março, a ti meritoriamente dedicado,
Rendo meu tributo, ofertando-te uma flor
Que esteja nela representado todo o meu amor.
É o símbolo do meu sentimento a ti devotado.

   Mulher tem…
Abgalvão

A mulher tem tudo o que de bom
o homem sabe que ela tem
e que por amor, paixão, interesse ou cinismo
o homem por vezes lhe confessa…
Mas a mulher tem mais,
tem muito mais predicados
que o homem sabe que ela tem
mas que, por machismo e hipocrisia,
o não confessa!

Maria nome… Maria mulher!
Abgalvão

Hei de cantar o teu nome
como canta o rouxinol
e hei de gravá-lo no vento
bordá-lo num cachecol.
Nas montanhas do meu peito
nas planuras da verdade
hei de gritá-lo a eito
aos ventos da liberdade.

Sobre cascalho de esperança
entre espinhos da desgraça
entre cardos de ignorância
e o negro da fumaça…
Eu cantarei o teu nome
e plantarei uma flor!

Aí mesmo nesse ermo
para lá do eco e do medo
onde o tempo não tem horas
o cansaço não tem sombra
e a vida não tem razão…
Hei de cantar o teu nome
e hei de plantar uma flor!

Aí mesmo, nesse espaço
onde acaba a ambição
onde começa a certeza
onde a infância é velhice
e a velhice um triste fado…
Hei de cantar o teu nome
e plantarei uma flor!

Até mesmo desse lado
onde o sol também é fel
onde se canta com dor
onde o vento é mais cruel
e o sonho não tem lugar…
Eu hei de cantar o teu nome
eu hei de plantar uma flor!

Aí mesmo nesse ponto
onde há pranto em cada canto
onde o pão tem mais suor
onde a sede é mais sofrida
e a fome já tem bolor…
Eu cantarei o teu nome
e plantarei uma flor!

Verei crescer essa flor
entre prados e hortejos
regada com muito amor
mimada com muitos beijos.
E entre os teus alvos lençóis
colados teu corpo e meu
te afagando os caracóis…
Hei de cantar o teu nome
Maria… Maria… Maria…
Eternamente Maria
amada, amante, mulher!
A todas as mulheres

Mulher é fonte de amor
Abgalvão

semente, seiva, raiz,
milagre, bênção e dor
do mundo a força motriz

Mulher é sopro e é vento
é frio chuva e verão,
é ferida, leite, unguento
é mar, é sol e paixão

Mulher é flor delicada
que Deus um dia plantou
e numa jarra sagrada
ao homem Ele ofertou

Mulher é noite e é dia,
lua, estrela, firmamento,
sonho, riso, poesia,
ventre aberto ao sentimento

Mulher é ave morrendo
nas garras da sordidez;
e é fénix renascendo
com firmeza e altive

Mulher é água que tomo,
é minha horta e jardim,
é fruta e é pão que como
mulher és tudo p’ra mim!

 

HERDEIRA DO NADA
Iran Lobato

Toda mulher rendeira…

sendo herdeira do nada,
sem eira e nem beira,
de mãos grossas da enxada,
sem vintém não vai à feira.

Prole de um por ano…

Feliz co’a filharada,
fruto dos desenganos
das suas caminhadas
ocultas sob os panos.

Se a chuva não bafeja…

Quando aquece a aragem
Maria não pestaneja;
pr’a acabar com a estiagem
roga ao santo da igreja.

Sem sal e trempe fria…

Se a miséria lhe apouca
nas horas de alegria,
o pouco que vai à boca,
é o sustento do dia.

Vingar com quase nada…

quando o pouco é o todo,
e esse todo não é nada
pr’a alimentar a rodo
a fome da filharada

Pr’ cacimba bem distante…

lá vai Maria pela estrada
sobre a grés escaldante
com a sua lata furada,
passo a passo, ofegante.

Sentindo dores no peito

termina a sua agonia
num roxo caixão estreito.
– Foi-se embora Maria,
quem lhe deu esse direito?…

Junto às parcas do enterro…

Maria vai descansar
sob a cruz, sobre um relevo,
que a terra lhe vai pesar
e o vil lhe comer o nervo.

Mulher:
Laura Lopes

É de sublime beleza
Em sua alma e coração
Ela tem na Natureza
A perfeita conceção!

Uma Diva de verdade
Traz com ela uma missão:
Ser a mãe da humanidade
Desde a sua criação!

Seu ventre é ninho de amor,
E nos braços ela abriga
Os filhos, mesmo na dor,
De todos ela é amiga!

Mulher é trabalhadora,
Em todas as profissões
Sabe sempre ser senhora
Em todas ocasiões! 

Executiva, operária…
Deu exemplos de destreza,
É poeta extraordinária
Sua verve tem beleza! 

Soube conquistar seu norte
Seu lugar na sociedade,
Ela não é fraca…é forte,
É perfeita, na verdade! 

MULHER
Amilton Maciel Monteiro

Reparem na beleza que há no pôr do sol
e no esplendor sereno de uma lua cheia; 
na bruma da manhã, quando o imenso lençol
encobre com mistério quase toda a aldeia…

Encantem-se com as cores do lindo arrebol
que acorda cedo as flores e logo incendeia
de luz, campos e matas para o rouxinol..
Além de agasalhar estrelas a mancheia!

Absurda a quantidade dessas maravilha
que o Criador nos deu apenas por amor,
somente por imenso afeto aos filhos seus!

E tudo sem falar no encanto das famílias,
as quais têm na mulher o seu maior valor!
Mulher, a obra-prima de nosso Bom Deus!

MULHER…ESSA MARAVILHA TERRENA!
Mário Matta e Silva

Mulher maravilhosa, serena e pura
Universal encanto de um Ser supremo
Luz da virtude na sua suave candura
Humana divindade que choro e temo.
Esperança no olhar no peito a doçura
Raio de sol ou relâmpago de amargura.

Mãe de ventre doce e de suavidade
Ufana gentileza no seu gesto breve
Leito de amor viril feito de vaidade
Honra renascida que à virtude se atreve.
Errante nos beijos e na sedução
Razão da existência, vertigem na paixão.

Memória de um passado, amando no presente
União na viagem de cada geração
Leda no brilhar da lua reluzente
Harmoniosa em cada música ou canção.
Erva tenra dos prados, maresia vinda do mar
Ri alegre a franca para teu corpo beijar.

QUEIXA DE MULHER
Myrthes Mazza Masiero

De tudo o que mais preciso,
se queres mesmo a verdade,
é de um cálice de risos
e um prato fundo de amizade…
De dois dedinhos de prosa
e um pires de companhia;
de uma palavra carinhosa
e uma braçada de alegria;
de uma pontinha de afeto,
de paciência um tantão!
Do meu doce predileto
e de uns afagos na mão.

De umas gotas de carinho
e um pouco de afinação;
de um copo cheio de vinho
e um punhado de atenção…
De um brinde em copos cruzados
e um gesto de gentileza;
de alguns raminhos de agrado
para enfeitar minha mesa…
Quero uns pingos de cuidados
e que não sejas tão ausente!
O resto… deixa de lado,
que eu vou tocando o batente!

A MULHER QUE EU AMO TANTO –
Tito Olívio

Acorda-me ao romper de cada aurora.
Corre a cortina… e o dia abre a vidraça,
Vilanaz, indiscreto e sorrateiro,
Fazendo-me fugir o que inda resta
Do sono pertinaz. Depois me abraça
E entre mil beijos jura que me adora.
Ritual, dia a dia repetido,
Lembra-me o som daquele corneteiro
Do meu tempo da vida militar,
Quando a manhã caía em meu ouvido,
Na corneta a tocar a alvorada.
Depois que faço a barba, é manifesta
A atenção que dedica à minha imagem.
Nada se escapa ao seu constante zelo.
Com a escova, penteia-me o cabelo,
Derrama-me perfume em profusão,
Tudo feito com ondas de carinho.
Sempre a sorrir, no aspeto bem cuidada,
Parece ter na boca o coração.
Vai-me chamando amor, muito baixinho,
E segue a minha sombra a todo o lado.
Põe-me a gravata, ajuda-me a vestir,
Dizendo que me quer bem arranjado.
Quando me sento à mesa do café,
Já tenho a mesa pronta e ela, de pé,
Fica a ver-me comer, embevecida,
Fazendo de mim rei – um rei amado
Pla escrava mais fiel das suas servas.
A enfeitar a toalha de brocado,
Mimos e mimos feitos para mim:
Taças diversas cheias de gelado;
Bolo às fatias, torta guarnecida;
Sumos, compotas, queijos e pudim;
Café com leite, chás de várias ervas.
E ela, ali de pé… a olhar pra mim…
Se paro um pouco, logo faz beicinho,
– Amua assim, querendo me forçar –
E diz-me que desprezo as iguarias
Por ela preparadas com carinho.
E vou comendo, só pra lhe agradar…
Talvez por não ter filhos, me dedica
As vinte e quatro horas do seu dia,
Num enleio de amor e de alegria
Que semeia em si mesma e frutifica.
Não me deixa fumar, que me faz mal,
Nem um cigarro, nem sequer cachimbo;
Não posso ter noitadas, que o cacimbo
É pai da gripe e faz-me vicioso;
Não me deixa beber álcool algum,
Nem vinho, nem bagaço ou licoroso
– Pra beber à socapa, tenho rum,
Secretamente oculto em vago canto.
É assim a mulher que eu amo tanto…
E cujo amor me dá momentos tais,
Que, por certo, não podem ser terrenos.
Podia amá-la ainda muito mais,
Se acaso ela me amasse um pouco menos.

 A MULHER QUE EU AMO TANTO – II
Tito Olívio

Por onde andas, amor, que não te vejo,
Por mais que espreite além do horizonte?
Perdeste-te na névoa dum desejo
Ou ficaste retida numa fonte?

Soltei a amarra, em versos bem medidos,
Humildes versos, álgidos, cortantes,
E nem um eco fraco nos sentidos,
Nem sombras de astros, áridos instantes…

Busquei a luz das horas pressurosas,
Pistas de musicais notas de encanto
E nada mais no peito que chorosas
Saudades da mulher que eu amo tanto.

MULHER POETA
Cema Raizer

Valoriza a vida
Escrevendo e interagindo
Buscando seu sonho
Sentimentos e lembranças
Amor pelo que faz
Inspirada num mundo
De sonho e vidas
Confiante!
Expõe alegria
Na espera do amanhã…

SONHO DE MULHER
 Cema Raizer

Buscando encontrar
 Um caminho de luz
Amando seu mundo
Encontra valores
Num gesto realista
Confiante certeza
No seu sonho de mulher
Entendendo a vontade
Seguindo Valores
 Acreditando
Num futuro melhor

MULHER
Cema Raizer

Cenário vivo
De tantas memórias
Traz muita saudade
Embala a inspiração
Rebuscando sonhos
E realidades
Que explodem em versos
Lembranças que afagam
Inspirando momentos
Para homenagear e lembrar seu dia
Parabéns à todas!

TRÊS LETRAS
Alfredo dos Santos Mendes

Apenas com três letras escrevemos,
Palavras com enorme dimensão.
E sendo tão pequenas elas são,
As palavras mais belas que dizemos!

Traduzem a riqueza que mantemos,
Conservada no nosso coração.
São jóias, que não têm cotação…
São a maior fortuna que nós temos!

Três letras que conjugam riso e dor.
E são de uma mulher que com amor,
É o nosso suporte nos revezes!

Tem a palavra mãe tanta grandeza,
Que ao se tornar avó tem a certeza,
Que passou a ser mãe por duas vezes!

MULHER, FONTE DE VIDA
Alfredo Santos Mendes

Dizer que a mulher nasceu inferior.
Que tem por missão alindar o seu lar.
Amar seu esposo, seus filhos gerar,
e sempre sorrindo dar o seu amor!

Pois quem assim pensa não sabe o valor
que ela traz consigo disposta a nos dar.
lágrimas esconde, quando quer chorar,
sorri quando sofre, p’ra não mostrar dor!

Se existem reveses ela não diz não!
Não foge da luta se esta tem razão,
enfrentando o mundo sempre decidida.

P’la sua coragem, pelo seu amor,
que entrega sorrindo e põe ao dispor…
Tu és ó mulher: UMA FONTE DE VIDA!

2 comentarios en “POEMAS A LA MUJER PORTUGUES”

  1. Maravilhosas poesias que retratam-nos como algo belo, mavioso, cândido…
    Esplêndidos poetas, dignos de aplausos, que amam, admiram e respeitam
    esse Ser criado por Deus de nome Mulher…
    Aristo, um veículo cultural de maior importância que divulga a poesia de forma magnífica!

    Responder
  2. Agradeço a atenção dos amigos «Eunate e Eugênio» que coordenam o
    lindo trabalho do site «Aristos Internacional, que se esforçam juntos
    aos outros amigos coordenadores para fazer um trabalho digno de ser aplaudido
    e muito bem visto pelos amigos poetas que deles participam. Parabéns amigos
    escritores que discorrem seus momentos de emoção com afinco e grandes
    poetas de todo mundo que fazem do «Aristos Internacional » nosso lazer do saber.
    Obrigado amiga Eunate » Feliz Dia Internacional da Mulher» e para todas as
    poetas mulheres guerreiras das letras em seus trabalhos literários.
    Felicidade e vamos continuar discorrendo nossos trabalhos e divulgando para todos
    neste site.
    «Salve o Dia Internacional da Mulher!

    Responder

Deja un comentario