LA PRIMAVERA POEMAS EM PORTUGUES

 

Todo lo publicado en  ARISTOS INTERNACIONAL está sujeto a la ley de propiedad intelectual de España
Marzo 2.020  nº 29 

La Dirección no se responsabiliza de las opiniones expuestas por sus autores. 
Estos conservan el copyright de sus obras

AL SERVICIO DE LA PAZ Y LA CULTURA HISPANO LUSA

 

COLABORAN: Maria Inês Aroeira Braga…Virginia Branco…Euclides Cavaco…jusmaria da Cunha Carvalho… Eugenio de Sá…Alfredo dos Santos Mendes…Santa Catarina Fernandes da Silva Costa…José Ernesto Ferraresso…Ary Franco ( O Poeta Descalço)… Yvany Gurgel do Amaral …Liliana Josué…Amilton Maciel Monteiro…Mario Matta e Silva…Tito Olivio Henriques…Gabriela Pais…Cema Raizer…Carolina Ramos..

Estação das Flores
Maria Inês Aroeira Braga

A chuva miúda cai alegremente,
Para que se dissolvam focos de poeira…
O verde é uma explosão que surge de repente,
Enfeitando jardins de uma floresta inteira…

É como se o amor tocasse os corações,
Despertando lembranças lindas, esquecidas…
Então, uma torrente forte, de paixões,
Faz a alma lembrar como foram queridas…

Saem todos os brotos que estavam escondidos,
Pois chega a esperada hora de espichar
Seus galhos para o céu, todos eles erguidos…

A Natureza estende um tapete de cores,
E a brisa se encarrega de espalhar no ar,
O perfume que traz a Estação das Flores…

P R I M A V E R A
Virginia Branco

Estou a ouvir o murmúrio dos ribeiros.
As fragas lembram das noivas, os véus…
Ainda caem, esporádicos, os aguaceiros
e vamos-nos deliciando com o azul dos céus.
As manhãs têm o perfume da terra molhada.
A Primavera surge entre o inverno e o verão,
para mim, é do ano, a mais bela estação.

Começa a 20 de Março, aqui no Hemisfério  Norte
e finaliza a 20 de Junho, quando o calor  é mais forte.
É mágico o reflorescimento da flora terrestre.
Fica florida toda a paisagem campestre.
Após o degelo, dos rios, ficam mais férteis as margens.
Começam a despontar as searas
e as flores das ravinas e jardins.

Vão florindo as orquídeas, os jacintos,
os hibiscos, as túlipas, os jasmins,
as anemonas, as margaridas
e muitas outras;-Todas nos perfumam a vida!
Também as árvores de folhas caducas
se vestem de verdes rebentos.
A brisa marítima vem , qual aragem
acariciar-me o rosto, refrescar-me o corpo
num misto de frescura, ternura e de ventos!

DOCE  PRIMAVERA
Euclides Cavaco

Doce Primavera
Que o tempo fizera
Bela e colorida
P’la sua beleza
É na Natureza
A mais preferida.

Doce Primavera
Tão breve quimera
Como a mocidade
Que após a partida
Deixa bem sentida
Na alma a saudade.

Romântica Primavera
Dos amantes sonhadores
Que perfuma a atmosfera
Ao dar vida e cor  às flores.

Primavera que a andorinha
Ao ressurgir anuncia
Com virtude de rainha
É dela simbologia !…

Primavera é melodia
Da vida feita canção
Nos versos duma poesia
De suave inspiração.

Primavera sempre doce
Que a alegria prolifera
Ai que bom se a vida fosse
Uma eterna Primavera !…

PRIMAVERA
Jusmaria da Cunha Carvalho 

Chegou a Primavera
Com sua alegria
Em meio a fantasia
De quimera

Após o frio
Do inverno indolente
O tempo mais quente
Preenche o vazio

Com flores coloridas
Que enfeitam a vida
Cravos, violetas e margaridas

Roxos, vermelhos e amarelos
Fazendo o mundo mais belo
E a tristeza esquecida

Com o lindo sol brilhando
No imenso céu de anil
E pássaros cantando
Um canto varonil

Sobre o verde viçoso
E a terra esperando o plantio
Tudo fica harmonioso
Resplandecente e vigoroso

Num toque de magia
Dias floridos e risonhos
Despertam novos sonhos
Aflorando a poesia.

PRIMAVERA
Eugénio de Sá

Sinto no ar o cheiro a primavera
Desabrocham viçosas flores silvestres
Nos campos que se estendem em verdura
E até nos promontórios mais agrestes
Brota dos malmequeres doce frescura.
É o florir da vida em alvoroços
Estremecidos de cor e temperamento
A natureza viva se extasia
E mostra n’alegria o sábio suprimento
Tudo emergindo ao sol, em harmonia.

 

Reverência à primavera
Eugénio de Sá

A flor da água o beija-flor rasou
À vista do nenúfar flutuando
E a branca flor o beija-flor beijou

E o roxo manacá vai exalando
O perfume floral da primavera
Que aos poucos o ar frio vai adoçando

São as gérberas de todas as cores
E mil jasmins e lágrimas-de-Cristo
A terra explode em chãos de mil amores.

A NATUREZA
Alfredo dos Santos Mendes

Natureza gentil, nos ofertaste
Quatro estações climáticas por ano.
E para que não possa haver engano,
A cada uma, um dom tu adornaste.

Nasce o ano invernoso que adotaste.
Enregelando os ossos… desumano!
Depois a Primavera, qual soprano…
Sem cantar, todo o solo emolduraste.

Vem depois o verão, nos esquentar.
É vermos toda a gente a se abanar,
Para tentar seu corpo arrefecer.

Vem por fim o Outono moribundo,
Quase nos faz lembrar o fim do mundo…
Ver toda a Natureza, a fenecer.

PRIMAVERA
( Santa Catarina Fernandes da Silva Costa )

No meio de tantas primaveras percorridas,
Entre tantas cores e flores e folhas coloridas,
Passei presa num labirinto de queixumes
Sem absorver dessa estação os diversos perfumes.

Quantas estações por mim passaram
Com suas belezas peculiares e seus movimentos,
com tantos ensinamentos!
Mas tinha me enclausurado a amargura
Não podia enxergar nos dias o encanto, o saber e a doçura!

Não havia aprendido que com a Primavera
Chegavam os amores verdadeiros e os passageiros,
que logo eram seguidos  de relâmpagos e trovões,
Anunciando o Verão, o qual desaba os castelos de areia
Construídos pela entrega na paixão!

Quando a alma acalenta no peito o seu desatino,
É hora de colocar os pés no chão!
Lamenta no Outono a sorte e o destino,
E cai como folhas mortas a ilusão!

O fim de um amor se mistura no gelo do Inverno!
Tudo fica coberto de branco, de pranto.
O sentimento escondido na alma é só lamento!
E busca o seu renascimento!

Dias após chega a Primavera,
Com seu cheiro, suas cores, suas flores.
O ciclo vital se repete.
Os seres se entregam,
Caem nos vendavais da paixão
Novamente a dor os abraça.
Os prantos se misturam no chão,
E o Inverno sepulta a ilusão!

ALEGRIA DE VIVER E DE AGRADECER !
José Ernesto Ferraresso

Ao acordar, senti-me alegre
e pude ver, com modificações, a vida.
Senti diferentes sensações e percebi mudanças
que não havia notado antes.
Estava vivo.
Parei para refletir e agradecer,
e aproveitar aquele momento
para divagar, sob sublime sensação.
Que prazer respirar o perfume
da paisagem estampada à janela!
Que momento de magia! Nunca havia notado!
Tudo me parecia diferente, fui supreendido
ao enxergar a vida por outro prisma!
Retomei a vontade de viver, de contemplar
a criação Divina, e dar valor ao que o Criador
nos agraciou num momento multicolor.
Pude, enfim, refeito na felicidade,
valorizar e agradecer tudo que ELE criou!

Feliz e maravilhado,
vi e senti, de novo, a Primavera!

AMADA PRIMAVERA
Ary Franco (O Poeta Descalço)

Primavera, não é uma estação qualquer.
Das quatro, é a mais bela de todas elas.
Não é à toa, pois é a única que é mulher.
Traz-nos flores e cores em linda aquarela.

Brilha um sol cálido, porém mais ameno.
Noites estreladas e um acolhedor sereno.
O luar nos convida para um romance a dois.
Afagos, juras de amor e mil beijos depois.

Belas rosas em toda parte, perfumam o ar.
Pássaros canoros entoam suas melodias.
Até este bardo sente vontade de cantarolar.
Sonhar é só o que farei nos próximos dias.

Na miragem musical ouço violinos a tocar.
Dominado pela miríade de minha felicidade,
Penso até em dançar, quiçá novamente amar.
Por que não? Ou pra amar há limite de idade?

Quando a Primavera acabar, nove meses irei esperar
O período de uma gestação pra ela novamente voltar.
Conseguirei atravessar outro verão, outono e inverno?
Ou antes disso serei chamado para meu sono eterno?
Então, deixe-me aproveitar este tempo que me resta.
Fazer do mundo, da vida, um belo sonho, uma festa…

MANHÃS DE PRIMAVERA
Yvany Gurgel do Amaral

Não, não é o labirinto
De Creta
Escondendo o Minotauro,
São os compartimentos
Da casa antiga,
Quartos contíguos
Por onde transitavam
Passos incertos.

Não, não são os jardins
De Versailles,
É o quintal da casa antiga
Onde eu brincava
E nos galhos das árvores
Eu me pendurava,
Nas radiosas manhãs
De primavera.

Não, não é a fatídica
Bomba atômica
Destruindo Nagazaki,
São os fogos das noites
Do mês de junho
Na comemoração
Da festa de São João.

Não, não é uma manhã
De sol nas campinas,
É a lua dos seresteiros
Que foi aprisionada
Em todos os canteiros
Da cidade
Das minhas férias.

Não, não são os benditos
Cantados pelas beatas
De vozes gasguitas
Na iluminada igreja,
É a cor da saudade
Refletida na água do rio
Que não corre mais.

UMA BRANCA PRIMAVERA
Liliana Josué

Dois sois azuis
habitam os olhos do ancião
metamorfoses de vidas esvoaçam
e adormecem esse olhar
de solidão

cabeça pendendo sonhos
recordações
do distante

memórias de luares antigos
polvilhados de emoções
de tons imaculados
e cheiro a ontem

todo ele é crença branca
na verde inconsciência
da sua inocência
certeza que o passado é presente
eterna primavera
vida permanente

cabelo, barba em branca profusão
a face nívea tranca desgostos
memórias de vivências inglórias
as quais no seu presente
entraram na opacidade da mente
tudo é branco

mas os olhos… esses não.

PRIMAVERA
Amilton Maciel Monteiro

Até que enfim voltou a Primavera!
Sofri demais durante a sua ausência
e só pedia aos céus que por clemência
me desse força na tristonha espera!

A friagem invernal me desespera,
pois vou perdendo aos poucos a paciência ,
tira-me o humor e põe-me na iminência
de comparar-me a uma besta-fera!

Que bom! Voltou a estação das flores
que traz consigo o sonho dos amores
e a inspiração no peito dos poetas!

Tomara que ela fique por aqui
por um bom tempo e em pleno frenesi,
a me inspirar poesias mais seletas!

AS FLORES, AS MÃOS E O AMOR
– À Primavera –   
( Mário Matta e Silva ) 

Trago raminhos nas mãos
Que delírio e que frescura!
Até que chegue a noite escura
voam  pétalas de mil cores
de geométricos canteiros
de uma forma bem serena
tão leves que nem penas
pelos jardins que alcancei
onde à tarde passeei
até ao crepuscular
para te ter, pra te amar!

Trago flores nas mãos
apanhadas pelos campos adiante
apertadas com suspiros
fustigadas por febris amores
vadios, agrestes, desvairados
em ânsias derramadas;
as mãos, benditas mãos
acariciam ao de leve essas flores
garridas, frescas, de várias cores
que darei, com seus perfumes
bem à hora do deitar. Feliz quimera
para te ter, pra te amar, ó Primavera!

PRIMAVERA
 Tito Olívio
( ao poeta Vivaldo Beldade )

Ano após ano, vem me visitar
Com a alegria farta e juvenil,
Que vemos nas manhãs claras de abril
E na espuma salgada, que há no mar.

Traz-me flores, em cores de encantar,
Andorinhas riscando o céu de anil,
Rebentos de renovo pueril,
Risadas de crianças a brincar.

Traz-me manhãs de sol, tardes amenas,
Algum calor, que adoça minhas penas,
O sonho ledo dum amor furtivo.

Todos os anos vem de luz vestida,
Airosa, bela, face divertida,
E enquanto a vir chegar, estarei vivo.

 

PRIMAVERA A SURGIR
Gabriela Pais
Portugal

Surge o olor da Primavera
Com abrolhos a repor
Agora o sol os espera
Como legado do amor.

Deixarão de ser rebento
Sempre que flor eclodir,
São as cores acrescento,
De alvos dias a fulgir.

Proliferam os matizes,
Os odores já se espalham,
Cercam amores felizes
Com gotículas que amalham.

O coração tem saudades
Deste tempo tão ameno,
Brotam multiplicidades,
Com o Sol acordar pleno.

Março mês de juventude
Talhes puros do nascer,
Encanto que não ilude
Que natura tem poder.

PRIMAVERA E ARTE
Cema Raizer

Não é só uma estação
Nem apenas uma obra…
É mensagem do tempo
Numa Estação do Ano .

Lindo momento da natureza
Repleto de vida e paz
Cenário de cores na paisagem…
E suave perfume de flores.

No tempo de primavera
Os jardins transbordam arte
As essências encantam pintores
Que em várias linguagens.

Transportam para a tela…
Nas mesclas de cores o fascínio do belo
O verdadeiro poema fala de vida e flor.

Revelando segredos de muitos autores
Nas doces lembranças
De intensas primaveras…

TROVAS DE PRIMAVERA
Carolina Ramos

Em cada galho florido
há acenos de amor à espera…
ganha a vida mais sentido,
quando chegas, Primavera!

Somando emoções caladas,
minha alma tristonha chora
as primaveras passadas,
mais belas do que as de agora!

Vai-se o tempo… e a cada hora,
aceito ausências com calma…
– que importa o inverno por fora,
se há primavera em minha alma?!

Era só… sozinha eu era…
e a solidão se desfez…
O amor trouxe a primavera,
éramos dois… somos três!

Se nada minha alma espera
há neste inverno tristonho,
aromas de primavera
sempre que contigo eu sonho!

Triste , eu lembro a primavera,
cheia de luz e alegria,
em que tendo a vida à espera,
eu sonhava…e não vivia!

Jamais chores o abandono
da primavera que finda,
pode haver frutos no outono
que tu não provaste ainda!

 

Deja un comentario