ARTIGOS- NARRATIVA -SOBRE LA TRATA EM PORTUGUÉS

Todo lo publicado en  ARISTOS INTERNACIONAL está sujeto a la ley de propiedad intelectual de España

Julio 2.020  nº 33

La Dirección no se responsabiliza de las opiniones expuestas por sus autores. 
Estos conservan el copyright de sus obras

AL SERVICIO DE LA PAZ Y LA CULTURA HISPANO LUSA

 

TRÁFEGO HUMANO
Por: Gabriela Pais
Portugal

Apenas uma pequena descrição muito breve, sobre um tema que causa horror, provoca uma revolta moral e que infelizmente se encontra em desenvolvimento neste mundo, cada vez mais desprovido de dignidade e amor pelo próximo.

Trata-se de uma das atividades mais impudente, imoral, horripilante, do século XXI, praticada por seres hediondos, despidos de qualquer valor moral, contrários aos bons costumes e princípios estabelecidos pela sociedade em relação ao seu semelhante.

Insensíveis, apenas possuem mentes vazias empedernidas. Não existem palavras por mais duras que sejam, que possam classificar estas práticas, feitas por indivíduos sem dignidade e respeito por outros seres humanos. Apenas tem em mente o vil dinheiro. Estimam-se lucros anuais nesta esfera, movimentos elevados de bilhões de dólares, onde tudo é considerado como mercadoria.

Repugnante comércio de seres humanos, vulgarmente praticado para fins de escravidão sexual, trabalho forçado ou exploração sexual comercial, mendicidade, tráfego de drogas e outros produtos para extração de órgãos ou tecidos para uso de barriga de aluguer e remoção de óvulos e ainda para cônjuge no âmbito de um casamento forçado.

Ainda recorrem ao emprego de violência, abuso de autoridade e rapto. Implicam diversas formas de coação aos padecedores, como por exemplo o uso de alguns indicadores;

Ficarem sujeitos a falta de liberdade de movimentos, sem controlo de documentação, forçadas práticas sexuais, podendo ainda ficarem privados, caso tentem procurar ajuda, de comida, água, e outras necessidades básicas, além de outras tantas condições repulsivas.

É um crime bastante complexo e deveras de difícil compreensão. É considerado como o terceiro maior crime mundial. A forma de violação de direitos humanos transcende as raias do entendimento. Os direitos humanos aplicam-se a todos os seres humanos sem exceção não há qualquer distinção. Asseguram a todo e qualquer ser os direitos básicos, que incluem o direito à vida, à liberdade e ao respeito, são direitos civis e políticos.

Tráfego humano ou tráfego de pessoas, é uma movimentação ilegal que se disseminou no século XXI, pois na busca de melhores condições de vida muitas pessoas são ludibriadas por criminosos que oferecem empregos com altas retribuições, mas quando cruzam as fronteiras são obrigadas a prostituir-se.

As vítimas já chegam endividadas ao destino, tendo que pagar aos traficantes, balúrdios referentes à viagem, hospedagem, alimentação, roupas, etc. Dívida que devido a altos juros se torna incomportável, nunca podendo ser paga, passando os criminosos a torturar e a ameaçar.

O tráfico humano é um crime. Tendência maléfica esta em maior crescimento com relação a diversos locais e níveis, ultrapassando os limites geográficos de um país. É condenado como uma violação dos direitos humanos, por convenções internacionais.

As implicações transnacionais como legitimado pelas Nações Unidas no protocolo relativo à Prevenção, Repressão e Punição do Tráfego de Pessoas (principalmente de mulheres e crianças), acordo internacional no âmbito da ONU, convenção das Nações Unidas contra o crime Organizado Transnacional, entrou em vigor a 25 de dezembro de 2003.

Um dos objetivos é facilitar a cooperação internacional na investigação e reprovação desse tipo de tráfico, além de proteger e assistir às vítimas de tráfico humano com pleno respeito pelos seus direitos, conforme estabelecido na Declaração Universal dos Direitos Humanos.

A ONU tem apelado para que os países se unam contra o tráfego humano, mas será que têm feito o suficiente para acabar com este problema? É necessário pensar-se nas causas e combatê-las sem dó nem piedade, só palavras não chegam. Quais as razões de certos países para permitir esta atividade dentro do próprio território sem nada fazer?!?

Muito mais havia a mencionar sobre este terrífico crime, mas a descrição seria vasta e intensa. Assim, só resta a esperança de que a opacidade que caracteriza este fenómeno, entre na consciência de quem tem por direito combater este crime organizado, que pelo menos minimize em grande escala, esta sombra espessa. Repito, uma das maiores chagas do século XXI, que paira pelo mundo.  

OLHAR SEM VER
Carolina Ramos
Brasil

            Quando, ao comando do sinal vermelho, freei o carro, meus olhos repousaram sobre duas figuras, que me fitavam, sem calor e sem atenção, separadas da rua por um portão de grades de uma Casa de Repouso. Olhavam-me, porque lhes estava  à frente. Olhavam-me, por olhar… Olhavam sem me ver. Em que pensariam?… Será que pensariam?!…

         Duas figuras simplórias – um homem e uma mulher. Dois velhinhos solitários, muito embora estivessem juntos no mesmo posto de observação, mãos agarradas às grades de um portão de ferro. Nos olhos inexpressivos, a ausência total de interesse pelo mundo ao derredor. Nas faces flácidas, a palidez doentia caracterizava o repúdio ao beijo do sol e a qualquer resquício de vaidade anterior. A inoperância da falta do que  fazer estampada nos braços murchos. E, nos pés  cansados, a necessidade imperiosa de sustentar dois corpos macilentos esculpidos sem ternura pelas mãos do tempo. Mãos sempre cruéis e implacáveis, que não poupam nada,  nem ninguém!

E para aquelas duas cabeças brancas, aquele mesmo tempo escoava-se talvez  menos rápido que o espaço reservado às luzes do semáforo que, cansado de chorar púrpura, abria-se à esperança ao arregalar o olho verde a escancarar  caminhos para todos – menos para os dois velhinhos que me olhavam sem ver… e dos quais minha emoção se despedia a custo.

         Pisei no acelerador, sem pressa. Levava nos olhos marejados a melancólica  imagem de dois pássaros cativos a me fitarem, tristonhos,  por entre as grades de uma gaiola. Pouco se lhes importava a porta fechada ou aberta… Pássaros como aqueles, não mais sonham e nem sequer clamam por liberdade! 

           Pássaros sem asas dispensam o espaço. Pássaros sem asas… não sabem mais o que é voar!

2 comentarios en “ARTIGOS- NARRATIVA -SOBRE LA TRATA EM PORTUGUÉS”

  1. «Tráfego Humano»: Gabriela Paes : Teu texto é claro e sem rodeios! Expressa o horror, a preocupação
    e a verdade sobre um tema que, atravessa os tempos… mas pela dita evolução do ser humano, essa
    condição vergonhosa já,deveria estar extinta! É inconcebível, diante de tantas conquistas que foram
    conseguidas para o bem da humanidade, ainda persista essa praga que escraviza seres humanos…

    «Olhar sem ver»: Carolina Ramos : Magnífico,Emocionante e importante comentário! Magnífico, pelo
    teu espírito observador, que te levou a escrever com alma! Tua emoção fala para o mundo abrir os olhos!

    Responder
  2. Obrigada Iraicema, tens sempre uma doce palavra sobre o que se escreve, Concordo que esta chaga já deveria ter acabado, mas
    os valores morais cada vez mais se esfumam… Um abraço.
    Parabéns a todo o elenco editorial.

    Responder

Deja un comentario