POEMAS EM PORTUGUÊS

poemas portugues banderas

Todo lo publicado en esta revista esta sujeto  la ley de propiedad intelectual de España” Ley 21/2014 de 4 de noviembre, por la que se modifica el texto refundido de La ley de Propiedad Intelectual, aprobado por Real Decreto  Legislativo 1/1996 del doce de abril, y la ley 1/2000, de siete de enero de Enjuiciamiento Civil” todos los derechos están reservados .

Luna Sol Internacional esta registrada ante la propiedad intelectual de España y el copyright de Estados Unidos

 

  sepa ab

Pergunto ao vento que passa
Noticias do meu país
O vento cala a desgraça
O vento nada me diz
( Manuel Alegre, in: Trova do vento que passa )

Conta-me o vento
Eugénio de Sá

Ouço no vento que passa
As noticias que não quis;
Ruge no vento a desgraça
Nas palavras que me diz.

No meu distante país
Que julguei mais sorridente
Há gente muito infeliz
O povo está descontente.

Hoje, por razões diferentes
D’ outras que Alegre evocou
A desgraça assola as gentes
Volta o choro a quem chorou.

Torna o frio ao meu país
Que gela as almas por dentro
Sei-o no vento que o diz
Uivando a cada lamento.

E os velhos, essas raízes
De um povo já tão sofrido
De tão tristes e infelizes
Queriam não haver nascido.

Contou-me o vento que passa
O que eu não quisera ouvir;
O anúncio da desgraça;
Da esperança a sucumbir..

sepa ab

DESFECHO

Sei que é preciso, deste amor suspeito,
esperar dias hibernais, tristonhos,
e estar consciente de cruciais, medonhos
e atros suplícios a ferir-me o peito.

Sim, é preciso que eu, a teu respeito,
não borde anseios por demais risonhos,
nem ponha em altos pedestais meus sonhos,
nem sonhe o Éden no teu níveo leito!

Se houver o adeus final de um sonho ardente,
que eu me acostume a não te ver jamais
e viva apenas de um idílio ausente…

Fins de romance…  Tão comuns e iguais…
a flor mulher que amamos loucamente,
que um dia nos deixa…  E que não volta mais!

Humberto Rodrigues Neto

sepa ab

O QUE É SER NAMORADO ?

Luiz Poeta

O que é ser namorado ?
É gritar pra todo mundo
Que a gente está se amando ?
É beijar e olhar de lado
Vendo os outros invejando ?

…ou é andar abraçado, sorrindo,
Se desejando ?

Será que é sonhar acordado ?
Será que é amar em silêncio
Quem nem vive nos olhando ?
… ou é uma troca de olhares
Que grita na alma da gente
Mostrando o que a gente sente
Quando a gente está se amando  ?

Definições variadas
Dizem tanto e dizem nada…
Pra que ficar perguntando ?

O importante é que um dia
Alguém vai chegar de repente
Sentir o que a gente sente
E ver que a gente está gostando

Aí, sim, que alegria !
O  nosso coraçãozinho
Vai bater devagarzinho
Ou vai ser um motorzinho
Dentro da gente gritando.

Direitos Autorais Reservados ao Autor – Biblioteca Nacional – RJ
Luiz Poeta – Luiz Gilberto de Barros – Rio de Janeiro – Brasil

sepa ab

NOTURNO

Encheram-se de sombras
os caminhos do tempo em nosso rosto.
Somos a tarde a despencar pelo ocaso.

Anoitece…

Percebes o luar em meus cabelos
e eu vejo estrelas extintas em teus olhos.
É música suave o ressonar dos ímpetos
no silêncio do sono que nos cobre.
Beijo-te a face de jaspe enluarada
e a boca úmida de orvalho.
Arrepios sonolentos me asseguram
que o amor apenas dorme.

Em meu anoitecer
sonham poetas tecendo auroras,
céus turquesas e poentes iluminados.
Em nosso anoitecer
somente os sonhos, os mesmos sonhos
grisalhos e cansados nos visitam.
Preciso velar teu sono de ânsias e suspiros,
mas o ermo se alarga e os anseios me vencem.

Então te ergues e vens,
com boca de ternura e olhar de lua plena,
vestida de sonho e bruma, me dizer
que partirei antes da aurora, mas voltarei
quando tramonte o sol lá no horizonte.
Anoitecemos…
Os caminhos do tempo em nossa face
dizem que já não somos o dia
nem a tarde tramontando no poente,
mas a noite – fornalha de sombras e saudades –
sem promessas de novo amanhecer.

Thalma Tavares ( Brasil )

sepa ab

SEXTILHAS:

Prantos, mágoas, nostalgias,
São lamentos dos sozinhos…
Gosto de viver cantando
feliz como os passarinhos,
que são felizes nos campos
e são poetas nos ninhos!

Como é lindo este nosso caminhar,
de mãos dadas, feliz, estrada afora…
Pondo pingos de orvalho em cada flor,
pondo gotas de luz em cada aurora;
redobrando a alegria de quem canta,
consolando a tristeza de quem chora!
Profesor Garcia ( Brasil )

sepa ab

OLHO O PASSADO

Olho o passado
que tem ficado atrás
nos cristais lloviznaba
o quebradizo outono
passeava por meu povo
tua calada presença
não conseguiu apagar sua ausência
escalofríos chegavam a meu corpo
instantes infinitos
ficaram ardendo na fogueira
lembranças absolutas
de acalma e maré
começa anochecer
não podia deixar de voltear a te ver
a ver na escuridão que te submergias
onde em algum tempo ver-te-ei de novo
onde o dardo do amor
são pétalos em teu silêncio…

Carlos Rodríguez Sánchez ( USA )

sepa ab

Conselhos de Mãe
Carolina Ramos

Meu filho, a vida é dura e fere… e nos magoa…
mas trata-a  com respeito e guarda a dignidade.
Ainda que a alma inteira sem clemência doa,
não permitas que o mal altere o que é verdade!

Sonha bem alto e segue o voo do teu sonho,
sem pressa de alcançá-lo e tendo-o sempre à vista!
Cada dia que passa é um dia mais risonho,
quando o amanhã promete as glórias da conquista!

“Segura a mão de Deus!” Segue o rumo sem medo.
Os caminhos, verás, se abrirão à medida
que  teu passo provar firmeza e, sem segredo,
revelar o sentido e o  Ideal da tua vida!

Não temas opressões nem quedas. Persevera!
Se achares que ao final o saldo não convence,
reage, continua… a vida tens à espera!
Confia em teu valor! Trabalha! Luta! E vence!

sepa abBem-te-vi

Olhei, olhei, mas não vi…
Onde andará, afinal,
Aquele que me sorri

Em seu grito matinal?
Rolinhas tricotam mágoas
No pé do meu sapoti;
Canários se esbaldam em águas,
Encantos que eu tenho aqui.

Procuro, mas não te vejo
No peitoril da janela;
Ah, é grande o meu desejo
De te ver cantando nela…

Quem viu meu pequeno amor,
O que acorda a passarada,
Gritando pra ninho e flor
Que é chegada a alvorada?…

Quem viu um ser elegante,
Altivo e mais que bonito
Com olhar desafiante
E desafiando o infinito?…

Onde andará meu amigo,
Ser alado em obra-prima,
Que eu ao Criador bendigo
Por beleza que me anima?

Volta, que estou te esperando!
Vem, que eu não saio daqui,
Te esperando… E já escutando
O teu grito… «bem-te-vi!»

Regina Coeli

8 comentarios en “POEMAS EM PORTUGUÊS”

  1. Regina.Amei seu poema, pois adoro passarinhos. Permita-Me um comentári
    Em frente a minha janela
    Na árvore que tem alí
    Um ninho amanheceu nela
    Seu morador :»bem-te-vi».

    Responder
  2. Como é bom ler poemas construídos por quem entende da matéria! Excelentes todos eles! Meus parabéns à Luna Sol pela escolha de tão renomados vates.

    Responder
  3. Cada poema é uma semente que, de repente, brota dentro da gente para nos fazer felizes,
    quando não para uma reflexão mais profunda sobre nossas vicissitudes.

    Parabéns, Luna Sol, pela difusão dessa cultura…

    Responder

Deja un comentario