POEMAS EN PORTUGUÉS

Todo lo publicado en  ARISTOS INTERNACIONAL está sujeto a 
la ley de propiedad intelectual de España

TÃO PERTO… E TÃO LONGE…
Carolina Ramos

Andaste bem pertinho de minha alma!
Tão perto, que cheguei a acreditar
Quem desta vez, alguém teria a palma,
De compreendê-la e dela se apossar!

Mas a aventura impôs-se em teu caminho,
Equívoca, a impelir-te em rumo incerto…
Partiste em busca de um banal carinho.
Restou a dor de um sonho mal desperto!

Chamei por ti!… E a brisa, com desgosto,
Murmurou confidente, ao meu ouvido:
– Esquece, tola, que eu te enxugo o rosto…
Deixa-o partir…o mais não tem sentido;

Se o adeus rouba o sorriso à tua boca,
A saudade e a ventura são rivais!
Deixa-o partir… Esquece… Esquece, louca!
Outro virá… e há de querer-te mais!

SUTIL SEDUÇÃO
Luiz Poeta

Tu sutilizas os ermos do  meu pensamento,
Eu me solto no vento, como um pássaro… sem temor;
O céu é o limite dos sonhos,  e no abismo do amor,
Meu coração se dilui no teu olhar mais atento.
 
Estou voando livre, quase sem movimento,
Volátil, anestesicamente… sem medo, sem pressa e sem dor;
Minha alma te segue lírica, magnetizada, seja onde for,
Sem tréguas, sem tédios, sem mágoas, sem desalento.
 
Tudo é bruma, névoa, frio… e embora eu nem te conheça….
Olho-te nos olhos e a imagem que estou vendo
Faz com que – no meu amor –  toda tristeza pereça
 
Cerro os olhos, envolvo-me na luz do teu olhar e me estendo,
Como um leito de pétalas tenras em que tu me transformas
Não quero acordar… Só preciso amar a solidão sutil do mar… de tuas formas.

SEXTILHAS
Ensaio sobre a tristeza
Eugénio de Sá

De estio vestiu-se o dia e eu gelado
Implacável a dor manteve-me acordado
Até que com promessas de calor
O sol vem sacudir-me a letargia
Mas esta mão inerte nega a guia
Do meu frio coração morto de dor

E assim renego o verso salvador
Que a tristeza é demais e o desamor
Inda me zurze a alma desumano
Fustigando-me a esperança envergonhada
De nada serve quere-la alevantada
Na frustração lhe pesa o desengano

Horas passam imunes à razão
Que teima que a poesia é solução
Na tarde já emerge o sol poente
E o olhar volta a cair na pena
Mas a dor inda não é pequena
P’ra que me dote o gesto tão dormente

Cai a noite e o seu manto estrelado
Cobre de brilho novo este meu fado
E a mão ligeira como por encanto
Faz alçar-se da mesa a pena leve
Que desliza num verso inda que breve
Para contar a história deste pranto

SER POETA É…
Ary Franco ( O Poeta Descalço)

Sonhar quando acordado
Amar mesmo sem ser amado
Em meio à mata achar caminhos
Só de flores, olvidando os espinhos
Falar pelo próprio coração
Achar luz na escuridão
Ter como companheira a inspiração
Mormente quando em solidão

Arrancar do luar sonetos apaixonados
Formando mil casais enamorados
Ver estrelas em noites chuvosas
Fazer versos e prosas sobre rosas
Despertar em todos um sonho maior
Em poemas, um romance melhor.

Ver na lágrima um sinal de alegria
E dela poetar uma linda fantasia
Saber entender e falar do verdadeiro amor
Pois brota ele na sua veia poética com renovado ardor.
 
Ser Poeta
Nídia Vargas Potsch

É encantar de colorido os corações
musiquear no silencio as emoções
aplaudindo com alma de criança,
repleta de esperança,
a natureza que nos é intrínseca …

É versejar com denodo o amor,
falar do perdão, da saudade, da dor,
da alegria que se esvai
de um momento para o outro,
como quem se importa
com as coisas mais simples da existência,
pedaços da vida de todos nós, mortais.
Afinal, o cotidiano é eivado de pulsação e calor …

E, em sua viagem, sem paralelos,
cruzando Universos,
do cândido ao sensual,
num tempero de sabores que arrebatam,
consumindo segredos na arte de
” juntar palavras”, na arte d`alma,
por esta força estranha, arrebatadora,
que o impele, encurta distâncias e
aflora sensibilidades,
é bem capaz de amordaçar suscetibilidades,
daqueles que não são capazes de compreender,
o despertar dos Novos Tempos
dessa Jornada que é a VIDA !!!

O TREM DO TEMPO
Odir Milanez

O trem do tempo passa, tendo pressa 
em alcançar da vida o fim da estrada 
e se acostar na gare, quando cessa 
dos vividos viageiros a jornada.

Trafega o trem do tempo, e mais se apressa 
no seguimento à última parada. 
Depois, de volta aos vivos, recomeça 
seu retorno à estação além do nada.

O trem do tempo passa. Não se apresse. 
Deixe-o passar. Vadeie a sua vida. 
Ele é presto no andar. Sempre aparece.

No tempo em que atempar sua partida, 
o trem do tempo, a tempo, se oferece 
pra levar-lhe à parada animicida…

 

JARDIM IMAGINÁRIO

Gabriela Pais
(Almada- Portugal)

Vou olvidar meu jardim imaginário,
De rosas, cravos, flor de laranjeira,
Orlam lago cerúleo, belo cenário,
Escondendo segredos na sua beira.
 
Mudo silêncio com gosto amargo,
Regaço de pétalas que acalenta
Perfume que vai morrendo pro largo,
Saída de  amor acre, não contenta.
 
Em redor roussos trinam serenatas,
Volto de novo a forjar meu jardim,
Ninada ao som musical das balatas.
 
Flores bailam com trajes de cetim
Sobre chão decorado com xamatas,
Do lago odes d’ amor, luzem pra mim.
 

TENHO QUE ACEITAR A REALIDADE!
José Ernesto Ferraresso

Antes, eu podia te tocar…
Sentir tua pele macia,
judiada pelo tempo;
beleza que irradiavas
como o lindo amanhecer
de todos os dias contigo.

Eu gostava de relembrar minha infância,
quando me afagavas e me ninavas.
Hoje, estranha sensação me preocupa,
pois, sozinho, não tenho como acariciar
teu rosto e envolver teu corpo num abraço.

Sou feliz pelos afagos que dei,
pelo carinho e beijos que compartilhei;
pelas alegrias que te proporcionei,
pela vida que me deste e que bem aproveitei.

Estás agora com o “Médico dos Médicos”,
e tens na bagagem noventa e cinco anos,
completados dois dias antes de tua partida.
Fez-se a vontade do Pai, chamando-te para os Céus,
malgrado minhas preces para que não fosses ainda.

Em teus últimos tempos, continuavas alegre,
uma pessoa feliz, querendo viver mais e mais.
Mulher vitoriosa e guerreira, em seu jeitinho meigo
de transmitir amor e bondade.

Percebias o tempo implacável a te debilitar,
mas te esforçavas para que eu não notasse isso.
Teu intento era em vão, pois eu já sentia teu fim.
Tua idade avançada denunciava o desenlace.

Agora, sozinho, não me cabe ser egoísta. Não choro mais!
Tua longevidade foi-me um presente de Deus.
Ao Pai Eterno, ao lado do Qual te encontras,
dou Graças por tua existência nonagenária.
Noventa e cinco anos bem vividos!
Um exemplo de ser humano!
Que me pôs no mundo e me fez gente do bem!

TRISTEZA
Maria Luiza Walendowsky

Tristeza d´alma
vá para longe…
não fiques me sufocando
com esta angústia,
dor no peito
sem fim.
– De onde vens?
São tantos os motivos…
mas por que insistes em ficar?
Deixe-me ser livre… solta!
Voar bem alto
e, no infinito,
mergulhar em meu íntimo,
a sorrir com orgulho,
de uma vida prestes
a desabrochar…
tímida e imprevista.
– Por favor,
não insistas mais
em ficar.

 

AMOR SUBLIME
Agostinho Rodrigues

O amor sublime tem pressão bem-vinda,
noscorações que como o vento ensejam;
tem uma forma espiritual tão linda,
massageia o ego dos que desejam.

Traz uma certa inspiração provinda
da profundeza pelos que pelejam,
com muita lógica que nunca finda,
perante fatos e atos que manejam.

Pasmem os fracassos causados na lida
da pertinaz postura  tão despida
pelo descaso de querer ferido.

Porém sempre há boa e feliz saída,
usando a paz tão comumente tida,
na simples página de amor  florido.

ANGÚSTIA
Professor García

Quando tu foste embora, a minha vida,
Transformou-se em saudade e nostalgia;
E a lembrança da triste despedida
É o que mais me tortura e me angustia.

Eu te busco a vagar qual nau perdida,
Mas o amor não responde e silencia;
E a lembrança de ti, nunca esquecida,
É o farol da saudade que me guia.

Eu preciso encontrar-te, e tenho pressa,
Pois um amor que se vai e não regressa
Deixa marcas profundas de orfandade

Se o meu peito carrega este segredo,
Ou tu rasgas os fios deste enredo
Ou o meu peito se rasga de saudade!

 

13 comentarios en “POEMAS EN PORTUGUÉS

  1. Poeta EUGÉNIO DE SÁ:Um ensaio assim, sobre a tristeza, vem mostrar, com força poética,
    o que muitas vezes sentimos.História de um pranto que também pode ser nosso.

  2. CAROLINA: “! TÃO PERTO, TÃO LONGE”
    Ótima maneira de semear esperança! Poema que leva a acreditar
    que dias melhores virão!

  3. LUIZ POETA “SUTIL SEDUÇÃO”:
    Um poema verdadeiramente sutil! Cheio de beleza, leveza e auto estima!
    Esse envolvimento com a luz do olhar, e toda a beleza que enaltece um ser amado…
    Parabéns!

  4. “Tenho que aceitar a realidade”:José Ernesto Ferraresso:
    Um poema de vida, que nos conduz a aceitar a realidade,
    e mostra o caminho que a viva impõe! Obrigada!

  5. “TRISTEZA” : Maria Luiza Valmdowski.
    Um poema de súplica, para ser lido em nossos momentos tristes!
    Pensamentos fortes para momentos tristes! Vontade de vencer!

Deja un comentario